9 livros para mulheres aprenderem a cuidar de si


Veja obras que reforçam a importância de entender os próprios sentimentos e cultivar a autocompaixão

É importante compreender suas emoções para ter mais autocuidado e amor-próprio É importante compreender suas emoções para ter mais autocuidado e amor-próprio Imagem: Krakenimages.com | Shutterstock

Sempre preocupadas em cuidar de outras pessoas, muitas mulheres acabam esquecendo de reservar um tempo para si, ficando sempre em segundo plano. Pensando nisso, e para celebrar o Dia Internacional da Mulher (08/03), as autoras desta lista convidam as leitoras a exercitarem o autoamor, compreenderem suas emoções e se tratarem com mais gentileza.

Entre livros de ficção, desenvolvimento pessoal e poesia, as sugestões revelam o poder do respeito e cuidado com a própria individualidade para encontrar mais plenitude e felicidade no cotidiano. A seguir, confira algumas sugestões!

“Tempestade de som e fúria” ensina a entender as emoções por meio da arte Imagem: Reprodução digital | Editora Letramento

1. Tempestade de som e fúria

Amar a si também é fazer as pazes com os sentimentos. Mas, para respeitar as emoções, é importante primeiro compreender sua subjetividade. Em busca deste autoconhecimento, Adriana Simão começou a escrever poemas enquanto escutava a músicas de seus artistas favoritos. Estes textos foram compilados em Tempestade de som e fúria e convidam os leitores a utilizarem a arte para transformar angústia em criatividade como recurso terapêutico.

“O efeito do riso” explica como uma boa gargalhada pode diminuir o estresse Imagem: Reprodução Digital | Editora Latitude

2. O efeito do riso

Professora australiana especialista em bem-estar e positividade, Ros Ben-Moshe propõe uma atividade simples para exercitar o amor-próprio e viver com leveza: dar risada. Neste livro, ela explica como uma boa gargalhada pode diminuir o estresse e auxiliar no enfrentamento de adversidades. Com ações práticas para serem adotadas no cotidiano, a autora faz um convite para olhar para si com mais carinho, gentileza e empatia.

“A história como eu morri” narra a vida de uma mulher em um relacionamento abusivo Imagem: Reprodução Digital | Editora UICLAP

3. A história como eu morri

Letícia tem tudo o que alguém poderia querer na vida: carreira de sucesso, pais com quem ela se entende, um belo apartamento e um marido lindo. Pelo menos, é o que aparenta até perceber que está em um relacionamento abusivo. Para fugir dessa realidade sombria, a personagem da autora J.C. Lydes precisa se redescobrir e reacender a chama de força e coragem dentro dela. Afinal, ela quer ser livre outra vez.

“Sua maior riqueza é você” reflete sobre questões importantes na vida das mulheres Imagem: Reprodução Digital | Editora Preparando

4. Sua maior riqueza é você

Neste livro, Beatriz Ribeiro entrelaça experiências pessoais para retratar as complexidades da vida humana e refletir sobre a importância de se reconectar com o mundo interno. A partir destes relatos, aborda temas como o exercício do autoamor, a busca por propósito, os sentidos da existência e a importância da resiliência diante dos desafios diários. Também fala sobre o valor de reconhecer as pequenas felicidades do cotidiano em busca de dias mais plenos.

“Sra. Capa” traz a história complexa de uma mãe e uma filha Imagem: Reprodução Digital | Editora Fabiana Carvalho de Oliveira

5. Sra. Capa

Para abordar saúde mental e amor-próprio, Fabiana C.O. narra as complexidades de uma relação entre mãe e filha em Sra. Capa. Sol é a primogênita, que sente a pressão de estudar para conquistar um espaço profissional que ninguém da família conseguiu. Já a matriarca Ana é uma mulher deprimida, que finge estar bem para sempre priorizar o outro em detrimento de si mesma. Nordestina, mudou-se para São Paulo durante a infância e vive os conflitos de ser migrante na maior metrópole do Brasil, ao passo que precisa dar apoio a todos os familiares.

“Val nas alturas” acompanha uma mãe em uma jornada de autodescoberta Imagem: Reprodução Digital | Editora TS Martins

6. Val nas alturas

A protagonista desta obra é uma mãe solo que quer se livrar de medos, dúvidas e crises existenciais. Quando finalmente dá o primeiro passo para se desprender dos traumas do passado, ela entra em uma jornada de autoamor e autoconhecimento. Assim, inicia muitos processos: faz aulas de canto para ecoar a voz junto de outras mulheres; recorre à yoga para conhecer o corpo e movimentá-lo; e prática meditação em busca de entender os múltiplos universos da mente.

Em “Mais forte e corajosa”, Karina Bacchi discute temas femininos para ajudar mulheres a terem mais autoconfiança Imagem: Reprodução Digital | Editora Vida

7. Mais forte e corajosa

Apresentadora, atriz e escritora, Karina Bacchi conversa com todas as mulheres sobre temas importantes do universo feminino: em dez capítulos, atravessa questões como empoderamento, ego, vaidade, insegurança, rejeição e julgamento. Ela trabalha esses aspectos para ajudar as leitoras a viverem com mais plenitude a partir da perseverança e da confiança. Com passagens bíblicas e atividades interativas, estimula a refletir sobre a vida.

“Ser para ter” apresenta 12 passos para uma vida pena Imagem: Reprodução Digital | Editora Citadel

8. Ser para ter

A pedagoga e terapeuta Aline Dalcin sugere 12 passos para uma vida plena, que atravessa as esferas mental, emocional, espiritual e energética. Ao propor uma jornada de autoconhecimento, a autora conduz as pessoas por um profundo processo de reflexão com o objetivo de auxiliá-los a despertar as próprias potencialidades. A obra é construída com base nas experiências pessoais da escritora, que, depois de muitos anos dedicando-se a ser mãe e dona de casa, percebeu como poderia ajudar os outros em busca da plenitude.

“Mãe liberté” propõe que o amor pode transformar uma sociedade cruel e desigual, buscando dignidade e liberdade Imagem: Reprodução Digital | Editora Independently Published

9. Mãe liberté

Em uma sociedade desigual, cruel e “corrupta de alma”, como Simone Maryam define, o amor aos outros e a si podem ser o primeiro passo para transformar o mundo. A partir desta ideia, o livro Mãe liberté é ambientado em um dos períodos mais violentos da história brasileira para mostrar como as maldades humanas são aprisionadoras sociais e de individualidade. Mas não só: a obra também apresenta a possibilidade de vidas com dignidade e liberdade quando se tem amor.

Por Genielli Rodrigues





Fonte: Jovem Pan

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.